12/04/2016

Lava Jato prende ex-senador Gim Argello suspeito de corrupção na CPI da Petrobras

  • O ex-senador Gim Argello (PTB-DF)
    O ex-senador Gim Argello (PTB-DF)
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (12) a 28ª fase da Operação Lava Jato. A ação foi batizada de Vitória de Pirro.
Entre os alvos dessa etapa está o ex-senador Gim Argello (PTB-DF), que foi preso preventivamente. A casa dele foi alvo de um mandado de buscas. Segundo o site "Paraná Portal", há dois mandados de prisão temporária contra dois assessores ligados a ele. A construtora OAS também é alvo da operação.
Em sua delação premiada, o senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) afirmou que Gim Argello cobrava propina de empreiteiras para não convocar executivos para a CPI Mista da Petrobras. Jorge Afonso Argello, ou simplesmente Gim Argello, 54, era vice-presidente da comissão, que funcionou em 2014. Ele nega as acusações.
Segundo Delcídio, alguns membros da CPI obrigavam, por exemplo, o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, a jantar em Brasília toda segunda-feira para conversar com parlamentares, momento em que seria cobrado o "pedágio".

UTC diz que pagou propina de R$ 5 milhões

Segundo o Ministério Púbico Federal (MPF), "foram colhidas evidências do pagamento de propina a Gim Argello pelas empreiteiras UTC Engenharia (R$ 5 milhões) e OAS (R$ 350 mil)". O objetivo era evitar a convocação de empreiteiros nas CPI da Petrobras no Senado e da CPI mista da estatal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Geral

Destaques