Médico presta depoimento na Polinter sobre sequestro relâmpago

O médico Bruno Maia, sequestrado na zona leste de Teresina na noite da última quarta-feira (07), prestou declarações à Polícia Civil no início da tarde de hoje, na sede da Polinter. Segundo o depoimento, quatro assaltantes armados com revólver renderam a vítima e seguiram para o estado do Maranhão.




"Fui abordado por quatro bandidos, sendo que dois deles estavam armados.  Eles pediram minha carteira, a chave do carro, o celular e pediram para eu entrar no carro novamente, mas no banco de trás. Enquanto um dos bandidos conduzia o veículo, outro estava com a arma apontada para minha cabeça e os outros dois bandidos seguiram no outro carro que estava atrás do meu veículo. Eles me perguntaram se eu tinha algum cartão para fazer saque e então eu expliquei que um dos cartões era através de digital, por isso eles preferiram utilizar o outro que era apenas de senha. Eles chegaram a discutir se eles iriam descer do veículo para fazer saque sozinhos ou se eu iria sacar com eles. Depois disso, eles entraram num consenso e resolveram dar cartão para os bandidos que vinham no carro atrás. Eles não conseguiram porque acho que o bandido ficou nervoso e errou a senha do cartão que acabou bloqueando. Depois disso eles me deixaram em um matagal. Eu andei durante uns 50 minutos por três estradas diferentes e vi uma luz que davam num sitio. Pedi ajuda para me deixar em local onde eu pudesse pegar um transporte para ir para casa. Eu estava meio perdido porque estava de cabeça baixa o tempo todo”, disse o médico em entrevista à TV Clube.

Bruno Maia foi encontrado ainda no final da noite de ontem em uma estrada que liga a cidade de Timon com Presidente Dutra.

“A partir de agora traçaremos uma linha de investigação. Fizemos o bloqueio administrativo da placa do carro dele para que fosse registrado roubo ou furto e caso eles passem pelas barreiras policiais sejam capturados”, disse o delegado Cadena Junior, da Polinter (Polícia Interestadual).

Segundo o delegado, a quadrilha seguiu pela estrada do povoado Baú para a cidade de Caxias no Maranhão. “A maioria desses assaltantes dão preferência em fugir pelo Maranhão. Esse tipo de quadrilha já é especializada em roubar o veículo e seguir para um estado vizinho fazendo a restrição da liberdade da vítima para que ela evite fazer contato imediato com a polícia e dificulte nossa investigação”, disse Cadena Junior.

Ainda de acordo com o chefe da Polinter, o índice de sequestro seguido de roubo de veículo tem reduzido de 2014 para cá. Em 2016, foram registrados cerca de 2.500 casos.

“A tendência seria diminuir, até por que nós conseguimos identificar várias quadrilhas e prendê-las. Só que a partir do momento que prendemos um grupo, outro surge, ou então a Justiça solta um que já prendemos e eles reincidem, dificultando ainda mais a redução nesses casos”, afirma. 
     
Entenda o caso

O médico Bruno Maia foi abordado por bandidos enquanto estacionava o carro na Avenida Lindolfo Monteiro, zona Leste de Teresina. Familiares haviam informado à polícia que Bruno deixou a esposa em uma festa e foi procurar uma vaga para estacionar, mas não foi mais visto.

A Polícia do Maranhão informou que a Hilux do médico passou na barreira de Timon às 20h40. Bruno Maia foi encontrado três horas depois em uma estrada que liga a cidade de Timon com Presidente Dutra.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Geral

Destaques