24 de nov de 2017

Justiça mantém condenação de pastora que deixava filha encarcerada




A pastora evangélica presa por manter a própria filha em cativeiro teve a condenação mantida pelo Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT) nesta quinta-feira (23/11). A pena soma 10 anos e 5 meses de prisão em regime fechado, além de dois no semiaberto.

O caso chocou o Distrito Federal em agosto de 2016. De acordo com os policiais que atenderam a ocorrência, o caso foi denunciado pelo Conselho Tutelar da cidade e dava conta de que a menina era torturada no quarto escuro de um barraco, nos fundos de uma pequena igreja na QNN 05, em Ceilândia Norte.

Quando chegaram ao local, policiais do Departamento Operacional (DOP) da PM encontraram a criança, que tinha 8 anos, trancada no cômodo, nos fundos do barraco. “A menina estava muito assustada, apresentava sinais de desnutrição, desidratação, inflamação na boca e muita fraqueza”, explicou o major Márcio Rogério.

Um vídeo divulgado pela Polícia Militar mostra o momento em que a menina foi encontrada pelos PMs. As imagens revelam a negligência com que a criança era tratada. Estava magra, deitada no chão sem qualquer proteção e totalmente abandonada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Geral

Destaques